TESTEMUNHAS DE CRISTO


TESTEMUNHAS DE CRISTO | PR. ALDRIC BONANI • 14/04/12

AT 1:1-8 | “Fiz o primeiro tratado, ó Teófilo, acerca de tudo que Jesus começou, não só a fazer, mas a ensinar, 2 Até ao dia em que foi recebido em cima, depois de ter dado mandamentos, pelo Espírito Santo, aos apóstolos que escolhera; 3 Aos quais também, depois de ter padecido, se apresentou vivo, com muitas e infalíveis provas, sendo visto por eles por espaço de quarenta dias, e falando das coisas concernentes ao reino de Deus. 4 E, estando com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, que (disse ele) de mim ouvistes. 5 Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias. 6 Aqueles, pois, que se haviam reunido perguntaram-lhe, dizendo: Senhor, restaurarás tu neste tempo o reino a Israel? 7 E disse-lhes: Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder. 8 Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra”. 

Lemos em AT 1:8 que a promessa sobre os discípulos de Cristo é de que receberiam o Espírito Santo e seriam Suas testemunhas, em Jerusalém, Judéia, Samaria e confins da terra. Já no início deste capítulo, Lucas se refere a seu primeiro tratado, ou seja, o Evangelho de Lucas, e declara que lá estão registrados não só os feitos, mas os ensinos de Cristo. Lucas estabelece aqui uma conexão entre o que lemos nesta passagem e o que se descreve em seu primeiro tratado, como e Continuar lendo “TESTEMUNHAS DE CRISTO”

Anúncios
TESTEMUNHAS DE CRISTO

OVELHAS QUE ALIMENTAM LOBOS

Ético e politicamente correto, é assim que esperam que você seja. Que me perdoem os neo-censores de plantão, mas não me enquadro nisto. Não me rebelo contra a verdadeira ética, nem tampouco contra os limites necessários e essenciais ao bom convívio social. Meu ponto não é este, mas a forma como muitos deturpam e abusam de tais conceitos como um meio – velado e supostamente educado – de ensurdecer, cegar e emudecer os que querem ouvir, ver e declarar a verdade. Acredito que nunca houve maior carência dela do que nestes dias, chamados pela Palavra de Deus, os últimos.

Estamos cercados pela falta de compaixão, pela indiferença, por um “evangelho” cada vez mais banal, supérfluo e fajuto e tudo o que esperam é que você se conforme como se o lixo pregado nos grandes púlpitos e a perversidade do coração de muitos fossem exatamente a essência do discurso de Cristo. Jesus em seu tempo censurou a perversa incredulidade de muitos e creio que hoje censuraria a perversa religiosidade de outros. Não quero criar polêmicas – apesar de crer que elas sejam inevitáveis nos últimos dias – mas cada um (dos tantos) escândalos recentes não estão nem perto de ser a raiz do problema, ao contrário, são apenas os “primeiros” frutos dele.

Nosso Senhor em sua pregação já nos advertia “é impossível que não venham os escândalos”(LC 17:1) e tenho por certo que a seu tempo todos os que tiverem sido infiéis em seu tão digno chamado à reconciliação e à condução dos rebanhos darão contas de cada uma de suas ações. O que pretendo com este texto não é rotular, julgar ou trazer mais escândalos sobre os que já estão expostos. Para que fique mais claro, quero que você inverta seu ponto de vista e, sabendo que o que temos visto são os frutos de uma árvore podre em seus fundamentos, que sincera e francamente avalie o quanto você tem se esforçado para que as coisas sejam diferentes.

O crime de estelionato é vulgarmente conhecido como “O Conto do Vigário” – as razões históricas para este nome não vem ao caso agora – porém, entre os policiais é comum o entendimento que um “vigarista” só consegue ser bem sucedido quando aplica seu golpe contra outro vigarista. Todo estelionato é baseado nisto, um aproveitador encontra alguém que “queira se dar bem” de um forma fácil e alimenta sua motivação sem que ele ao menos perceba que a vítima é ele mesmo. O que isto tem a ver com os escândalos? Simples, os vigaristas travestidos como líderes religiosos têm se multiplicado pregando um “evangelho” pútrido que via de regra é apresentado como um paraíso de facilidades e vantagens pois é esta a mensagem que muitos têm querido ouvir. Sua mensagem mais se assemelha a uma proposta de crediário de qualquer loja medíocre do que com a verdadeira palavra de Cristo, afiada como uma espada que invade e transforma nossas vidas para toda a Eternidade. Em seus púlpitos não há espaço para o arrependimento, para o confronto ao pecado ou para o chamado ao inconformismo pois os “vigaristas proféticos” encontraram multidões de “facilitadores da cruz” que preferem sempre o “jeitinho”, alimentando e sendo alimentandos pela cobiça, pela troca, pela constante negociação do chamado e das bênçãos (em tempo – esta palavra vem invariavelmente associada ao ter, quando deveria vir associada ao ser, ou é em vão que se declara – “sê tu uma bênção”).

Nossa cobiça, nossa vaidade, nosso orgulho e nossa sede pelo poder têm sido o corrosivo da igreja brasileira e ela está a ponto de desabar sobre nossas cabeças.

Preciso contudo afirmar que em meio a isto há sim um exército de crentes sinceros, quebrantados e fiéis – simples e inocentes como a Palavra nos instrui a ser – mas se continuarmos conformados, isolados e calados – nos rendenderemos à nossa própria condenação.

OVELHAS QUE ALIMENTAM LOBOS

COMPROMETIDOS COM CRISTO


COMPROMETIDOS COM CRISTO | Pr. Aldric bonani | 18.02.12

Ouvimos muitos dizendo: vou desistir de tudo, vou abrir mão do ministério, vou abandonar algumas coisas pois preciso de tempo para encontrar o “meu eu”, para colocar as coisas em ordem, para me encontrar.  Estou cansado de ser quem o mundo, meus amigos, minha família, a igreja esperam que eu seja.

Mas, se você romper com tudo isto o que realmente sobra? “Quem” você vai encontrar?

Creio que você não encontrará nada! Se o seu verdadeiro “eu” pudesse ser encontrado você já o teria feito. Esta não é a forma de você encontrar sua identidade. Pense ao contrário, sua identidade, o seu “eu” está sendo criado. E isto só acontece através do compromisso, e, sim, estou falando do compromisso com Cristo!

Eu quero falar sobre o comprometimento com Cristo porque só assim você tem a verdadeira identidade, significado e propósito.

1JO 1:3 | “O que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que também tenhais comunhão conosco; e a nossa comunhão é com o Pai, e com seu Filho Jesus Cristo”.

A palavra aqui traduzida por comunhão é koinonia que também pode significar comprometimento íntimo!

Já ouviram falar de Blondin? Charles Blondin era um ginasta que fez uma fortuna atravessando as cataratas do Niágara, entre o Canadá e os Estados Unidos em cima de uma corda bamba. Ela tinha 330m de comprimento e 50m de altura e todas as vezes ele acrescentava algo ao desafio. Às vezes ia de costas, outras vendado, etc. Até que um dia havia 10.000 pessoas reunidas ali, aguardando a travessia quando ele perguntou à platéia se eles acreditavam que ele poderia fazer a travessia novamente, todos gritando seu nome disseram que sim. Ele perguntou se acreditavam que ele poderia fazê-lo carregando um homem nas costas, a multidão gritava mais intensamente: “acreditamos!”, então ele disse, “quem será o voluntário?” Apenas um homem, seu empresário, se ofereceu!

O ponto aqui é claro, 10.000 disseram que criam, mas apenas 1 creu de verdade. Crer não é aceitar um fato, crer é entregar sua vida nas mãos daquele em quem você diz crer.

O que faz de você um cristão não é o quanto você crê em Cristo, mas o quanto você está comprometido com Ele! 

É entregar sua vida a Cristo para que através de você Ele possa fazer as coisas que quer fazer neste mundo.

Você está comprometido? Esta é a grande questão!

Quando você está comprometido, precisa ter certeza com o que está comprometido.

JO 15:14 | “Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando”. 

Eu estou comprometido de fato quando faço o que Cristo quer que eu faça.

Mas há uma diferença enorme entre tentar fazer algo para Jesus e permitir que Ele tome posse da sua vida e faça algo através de você. E é o que Jesus quer que você faça hoje. Ele quer tomar toda a sua vida e te capacitar a fazer o que precisa ser feito. Este ponto é fundamental, não o que é agradável ser feito, mas o que precisa ser feito! Por isso ele continua e declara:

JO 15:19-21 | “Se vós fósseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia. Lembrai-vos da palavra que vos disse: Não é o servo maior do que o seu senhor. Se a mim me perseguiram, também vos perseguirão a vós; se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa. Mas tudo isto vos farão por causa do meu nome, porque não conhecem aquele que me enviou”. 

Ser cristão é ser um imitador de Cristo e isto não é fácil! Você vai achar que você não tem o que precisa para ser como Cristo. Você vai falhar muitas vezes nesta tentativa. Mas você precisa insistir sabendo que Deus te fortalecerá!

O quanto você está disposto a se comprometer com Cristo? O quanto você quer isto? Deus te capacita, mas esta  capacitação vai depender de sua vontade. O quanto verdadeiramente você QUER isto?

Quando assisto alguma prova de ginástica olímpica sempre digo que o que elas fazem ali é impossível, desafia qualquer lei da física. É inegável que eles precisam de um talento, de um dom para fazer aquelas coisas, mas só isso, sem a vontade de fazer não é nada!

Eu estava lendo a entrevista de uma ginasta que quer ir para as olimpíadas de 2016. Ela treina 8h por dia de segunda à sábado. Isto é comprometimento, ela entregou sua vida ao propósito que estabeleceu e você?

Jesus vai fazer duas coisas em você se você permitir… vai te capacitar a fazer o que você nunca fez antes e vai alimentar em você a vontade de fazê-lo, mas você precisa se entregar a ele sem reservas ou condições!

FP 2:13 | “Porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade”. 

Você deve se comprometer com Cristo, declarar que é a vida dEle que você quer viver, ser possuído por Ele em cada detalhe. Quando isto acontecer você vai conhecer a alegria como nunca conheceu antes, isto vai explodir em seu coração!

CORAÇÃO COMPASSIVO, SINAL DE COMPROMETIMENTO

2 CO 1:7 | “E a nossa esperança acerca de vós é firme, sabendo que, como sois participantes das aflições, assim o sereis também da consolação”.

Seu coração vai se quebrantar por aquilo que quebranta o coração de Deus. As injustiças, o pecado, a mentira…

Vou me juntar a você para destruir as obras do diabo

1 JO 3:8 | “Quem comete o pecado é do diabo; porque o diabo peca desde o princípio. Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo”. 

Nem sempre o avivamento começa com novas pessoas chegando à Igreja, mas com as velhas saindo! As que não estão verdadeiramente comprometidas.

Jesus quer mudar o mundo através de você. Estar comprometido com Ele significa sonhar seus sonhos, lutar suas lutas.

Comprometa-se com seu Senhor!

COMPROMETIDOS COM CRISTO

MANTENHA VIVOS OS SEUS SONHOS…


“Uma das calamidades da vida é sonhar apenas quando estivermos dormindo… O homem mais pobre não é o homem sem dinheiro: é o homem sem sonhos.” (Max L. Forman) 

Sabemos que o inferno trabalha para nos roubar, matar e destruir. A Palavra nos exorta a nos mantermos vigilantes e sóbrios, pois o diabo busca incessantemente a quem possa tragar. Espiritualmente a nossa luta é constante, e o inferno tenta nos conduzir ao pecado e ao consequente afastamento de Deus. Porém antes disto somos tentados a desistir de nossos sonhos; e quando eles morrem, morremos junto com eles. Somos tomados pelo desânimo, pela falta de perspectivas e começamos a considerar se o preço que temos pago para andar com o Senhor realmente tem valido a pena.

Mas, como posso sonhar se tudo à minha volta parece me afastar dos meus sonhos?

Desistir ou lutar não depende de suas circunstâncias, mas de onde está a sua fé!

E você? Tem lutado por seus sonhos ou tem desistido de cada um deles?

JOSÉ, UM SONHADOR

GN 37:19-12 | “E disseram um ao outro: Eis lá vem o sonhador-mor! Vinde, pois, agora, e matemo-lo, e lancemo-lo numa destas covas, e diremos: Uma fera o comeu; e veremos que será dos seus sonhos”. 

Acho interessante perceber neste versículo dois pontos. O primeiro é a reação dos irmãos de José ao seu sonho; por não compreenderem o verdadeiro propósito daquilo o “odiaram ainda mais” (v. 5) e deixam clara sua intenção: matá-lo! Outro ponto é a forma imaginada para ocultar seus atos, “diremos, uma fera o comeu”. A batalha que se estabelece sobre nossos sonhos é a mesma, muitos por não os compreenderem tentarão matá-los e a fera – ou se preferir, aquele que ruge como um leão – tentará devorá-los!

Mas qual é a forma de nos posicionarmos para lutar por nossos sonhos?

Como devemos agir para que nosso foco nas coisas de Deus não se perca?

1 PE 5:8-9 | “Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar. Ao qual resisti firmes na fé, sabendo que as mesmas aflições se cumprem entre os vossos irmãos no mundo. ”.

Resistir firmes na fé, mesmo em meio às aflições!

As aflições que enfrentamos não podem determinar a realidade de nossos sonhos e muito menos servem como parâmetros para estabelecer se eles são ou não de Deus!

Os sonhos de José foram gerados por Deus e isto não garantiu que se cumprissem sem oposições, mas garantiu que a mão do Senhor os guardassem até que se cumprissem!

SONHOS VIVOS, UMA QUESTÃO DE FIDELIDADE

GN 39:7-10 | “E aconteceu depois destas coisas que a mulher do seu senhor pôs os seus olhos em José, e disse: Deita-te comigo. Porém ele recusou, e disse à mulher do seu senhor: Eis que o meu senhor não sabe do que há em casa comigo, e entregou em minha mão tudo o que tem; Ninguém há maior do que eu nesta casa, e nenhuma coisa me vedou, senão a ti, porquanto tu és sua mulher; como pois faria eu tamanha maldade, e pecaria contra Deus?”

José foi vendido como escravo aos midianitas que o venderam à Potifar (GN 37:36). Sabe o que diferencia um alguém que vai desistir de seus sonhos de alguém que vai vivê-los integralmente? A obediência e a fidelidade mesmo quando tudo parece se frustar. Esta é a marca de José, a obedência e a fidelidade em meio à pressão das situações. Mesmo vendido como escravo a desobediência e infidelidade nunca foram alternativas consideradas por ele.

Até aqui José já tinha sido rejeitado, injustiçado, afligido e quando as coisas parecem que vão acontecer, quando o justo parece que vai prosperar, surge a mulher de Potifar…

José ainda não tem a exata consciência do que está acontecendo em sua vida. Num momento era o filho preferido e de repente se torna escravo; era o segundo do capitão da guarda e de repente se torna prisioneiro. Porém em suas muitas aflições a decisão de José não muda e por isso os sonhos de Deus para ele também não!

Agora o vemos diante do carcereiro, mais uma vez rejeitado, injustiçado e afligido e qual é sua decisão? Se manter fiel! Não importa o preço ou as consequências!

GN 39:22 |  “E o carcereiro-mor entregou na mão de José todos os presos que estavam na casa do cárcere, e ele ordenava tudo o que se fazia ali”. 

E sua fidelidade o conduz à honra de Deus, o cumprimento de seus sonhos:

GN 41:40 | “Tu estarás sobre a minha casa, e por tua boca se governará todo o meu povo, somente no trono eu serei maior que tu”. 

NA MUITA OPOSIÇÃO, A BENÇÃO!

(GN 41:46, 53; 45:6) Ao tentar se livrar do sonhador, os irmãos de José cumpriram seus sonhos! Quando a sua fidelidade não é roubada, seus sonhos também não serão!

PV 24-10:11 | “Se te mostrares fraco no dia da angústia, é que a tua força é pequena. Se tu deixares de livrar os que estão sendo levados para a morte, e aos que estão sendo levados para a matança”; 

Os sonhos de Deus estão reservados aos fiéis! Lute por eles!

MANTENHA VIVOS OS SEUS SONHOS…

LAVO MINHAS MÃOS NA INOCÊNCIA

 

1SM 13:14 | “Porém agora não subsistirá o teu reino; já tem buscado o SENHOR para si um homem segundo o seu coração, e já lhe tem ordenado o SENHOR, que seja capitão sobre o seu povo, porquanto não guardaste o que o SENHOR te ordenou”. 

 

“Quero ser um homem segundo o coração de Deus”! Quantos já não repetiram isto? Sem dúvida é uma declaração maravilhosa, mas até que ponto suas atitudes têm confirmado este tipo de afirmação?

 

Recentemente ouvi algo que ficou gravado em meu espírito; um amigo dizia: “temos um coração convertido e uma mente pagã”.  Há um estranhamento quando ouvimos isto não? Soa quase como uma heresia, mas isto só nos parece tão agressivo porque nossos ouvidos estão mais acostumados à hipocrisia e a bajulação da religiosidade do que à beleza das verdades bíblicas. Porém, recebemos revelações bíblicas profundas, mas nos esquivamos de vivê-las integralmente e – sob a desculpa de que somos pressionados por nossa época – tentamos contextualizá-las ao nosso crescente relaxamento moral, como se de alguma forma pudéssemos encaixar a verdade de Cristo às nossas pequenas mentiras, à cegueira de nosso egoísmo ou à indiferença que sentimos uns pelos outros.

 

É inegável que vivemos tempos difíceis, mas eles não se iniciaram com a rebeldia dos jovens da década de 60, nem tampouco com a revolução tecnológica de nossos dias. Se iniciaram com a queda do homem e desde então o Senhor estabeleceu um único caminho de volta à sua presença e intimidade, um caminho alto e sublime, um caminho  santo, o caminho da Cruz de seu Filho. A maldade e a perversão humanas e a pressão por nos encaixarmos no que o mundo considera normal talvez pareçam mais evidentes hoje, mas sempre existiram e continuarão existindo até a consumação de todas as coisas. Isto significa que a santidade não pode e não é determinada pela pressão de nossa época, vivê-la integralmente é, na verdade, o fruto direto de nossa escolha e entrega ao Senhor.

 

Isto fica ainda mais claro quando percebemos que Davi, cercado pela corrupção de sua época, se levantou como o homem segundo o coração de Deus e Adão, vivendo cercado pela presença de Deus, se entregou deliberadamente ao pecado.

 

DAVI, MÃOS LAVADAS NA INOCÊNCIA

 

Se há algo marcante na forma como Davi se relaciona com Deus é sua ousadia. Durante toda sua vida vemos sua ousadia e sua busca por santidade como os fundamentos de sua fé. Vamos entender através do Salmo 26, como Davi se posicionou ousadamente num tempo corrompido e injusto:

 

SL 26:1-12 | [Salmo de Davi] 1 Julga-me, SENHOR, pois tenho andado em minha sinceridade; tenho confiado também no SENHOR; não vacilarei. 2 Examina-me, SENHOR, e prova-me; esquadrinha os meus rins e o meu coração. 3 Porque a tua benignidade está diante dos meus olhos; e tenho andado na tua verdade.4 Não me tenho assentado com homens vãos, nem converso com os homens dissimulados. 5 Tenho odiado a congregação de malfeitores; nem me ajunto com os ímpios. 6 Lavo as minhas mãos na inocência; e assim andarei, SENHOR, ao redor do teu altar.7 Para publicar com voz de louvor, e contar todas as tuas maravilhas. 8 SENHOR, eu tenho amado a habitação da tua casa e o lugar onde permanece a tua glória. 9 Não apanhes a minha alma com os pecadores, nem a minha vida com os homens sanguinolentos,10 Em cujas mãos há malefício, e cuja mão direita está cheia de subornos. 11 Mas eu ando na minha sinceridade; livra-me e tem piedade de mim. 12 O meu pé está posto em caminho plano; nas congregações louvarei ao SENHOR”. 

 

1. Confiança em Deus

 

SL 26:1 | “1 Julga-me, SENHOR, pois tenho andado em minha sinceridade; tenho confiado também no SENHOR; não vacilarei”.

 

Nos surpreende a forma como Davi se apresenta neste salmo. Cada versículo é uma oração de entrega e separação ao Senhor. Mas estes versos não estão isolados. Se Davi se limitasse a mencionar sua sinceridade, a forma como tem andado ou sua inocência, ele se apresentaria como qualquer religioso amparado em seu suposto mérito. Mas Davi, ao iniciar o Salmo faz questão de apoiar sua fé e sua sinceridade no único fundamento capaz de suportá-la, em Deus! Por isso ele declara que sua confiança está nEle e que Sua benignidade não pode ser ignorada.

 

O primeiro passo para sustentarmos uma vida em busca de santificação é reconhecer que o único, exclusivo e suficiente fundamento para isto é o Senhor!

 

Quando menciona sua sinceridade ele não está se amparando em suas forças, se assim fosse ele não concluiria esta afirmação falando de sua confiança em Deus. O que Davi faz ao mencioná-la é simplesmente estabelecer que tem feito sua parte. Não quero fazer uma abordagem histórica deste Salmo, mas em seu contexto, Davi está enfrentando uma acusação injusta e só o que pode nos dar paz em tempos de injustiça é temos a consciência tranquila por termos feito o que nos era cabido e assim podemos descansar na justiça do Senhor, mesmo que a justiça humana se encerre no erro.

 

2. Ir ao encontro da santidade do Senhor

 

SL 26:2 | “2 Examina-me, SENHOR, e prova-me; esquadrinha os meus rins e o meu coração”.

 

Falamos da ousadia de Davi e ela fica cada vez mais explícita. Examina-me Senhor! Quanta diferença das orações de auto-justificação que repetimos tantas vezes. Mas Davi corajosamente se expõe ao Senhor; seu pedido é antecedido pela certeza de sua confiança no Senhor e finalizado com o reconhecimento de sua bondade.

 

Só conseguiremos prosseguir em nossa santificação quando nos abrirmos ao Senhor sem reservas para que Ele possa alcançar e tratar cada detalhe de nossas vidas. É assim que Davi prossegue, a fim de basear sua fé no que é eterno.

 

3. Lavo minhas mãos na inocência

 

SL 26:6 | “6 Lavo as minhas mãos na inocência; e assim andarei, SENHOR, ao redor do teu altar”.

 

Davi sabe que só pode se aproximar do altar do Senhor quando seu coração for sincero como o de uma criança – ele mesmo afirma isto dizendo, Senhor quem subirá ao monte santo do Senhor? aqule que tem mãos limpas e um coração puro – e qual seu propósito nisto? Ser uma testemunha do que o Senhor tem feito: publicar seus louvores e contar todas as suas maravilhas!.

 

Davi se posicionou em meio à um tempo de corrupção, e Adão se perdeu mesmo desfrutando da intimidade com o Senhor. Davi escolheu confiar no Senhor, se abrir ao seu exame e se santificar para que seu pé estivesse no caminho do Senhor. Adão, preferiu desobecer, se abrir para o medo, se esconder do Senhor e se cobrir de religiosidade, representada pelas folas de oliveira.

 

Sua época não pode te afastar do Seu Criador, mas a sinceridade de seu coração pode, sem dúvidas, te aproximar dEle.

Eu escolho a sinceridade!

 

 

LAVO MINHAS MÃOS NA INOCÊNCIA

PATERNIDADE CRISTÃ • ADOLESCENTES

DT 4:9-10 | “Tão-somente guarda-te a ti mesmo, e guarda bem a tua alma, que não te esqueças daquelas coisas que os teus olhos têm visto, e não se apartem do teu coração todos os dias da tua vida; e as farás saber a teus filhos, e aos filhos de teus filhos.O dia em que estiveste perante o SENHOR teu Deus em Horebe, quando o SENHOR me disse: Ajunta-me este povo, e os farei ouvir as minhas palavras, e aprendê-las-ão, para me temerem todos os dias que na terra viverem, e as ensinarão a seus filhos”. 

A paternidade sempre foi um grande desafio. Nos dias atuais este desafio é ainda maior e se você for pai, cristão e seu filho estiver na adolescência… Que o Senhor tenha misericórdia!

Brincadeiras à parte, o fato é que por trás de todo desafio existem grandes oportunidades. Aproveitá-las e otimizá-las, no entanto, dependem exclusivamente de cada um entender e cumprir seu papel na formação do adolescente.

A adolescência é sem dúvida o período de maiores transformações e conflitos de nossas vidas e diariamente somos forçados a aceitar a ideia de que nesta fase vamos perder nossos filhos. Certa vez conversei com um pai que me dizia que num dia segurava em seus braços um filho que o via como um herói e no dia seguinte era como se seu filho fosse um completo estranho morando em sua casa. A ideia mais ou menos comum de que nesta fase perderemos nossos filhos não é absolutamente a ideia do Senhor para nossas famílias.

Muitas vezes ignoramos que 80% dos cristãos se converteram antes dos 18 anos, isto significa que é justamente nesta fase de nossas vidas que estamos mais abertos ao Senhor. Quando nos voltamos para as Escrituras vemos muitas crianças e adolescentes escolhidos por Deus para marcarem suas gerações como Samuel, Davi, Ester, Daniel, Maria, Timóteo e tantos outros. Mas isto só vai acontecer quando nós – pais e pastores – nos posicionamos e cumprimos nosso papel na formação destes jovens.

O CENÁRIO ATUAL

Passamos por tempos de rápidas e profundas transformações e, como sempre, elas são sentidas e vivenciadas de uma forma mais intensa pelas novas gerações.

Há alguns anos quando falávamos sobre criação de filhos era como se todos agissem praticamente da mesma forma, como se existisse um “código” próprio entre os pais. Eles eram reconhecidos como figuras imediatas de autoridade. Havia até uma expressão comum que dizia, “mãe é tudo igual, só muda o endereço”. Isto era assim porque, mesmo entre os não cristãos, havia uma noção clara entre certo e errado, os valores e princípios eram mais sólidos. Os pais não se perguntavam se estavam sendo bons pais ou mães, eles simplesmente eram pais.

Hoje temos o certo, o errado e o politicamente correto. Na ânsia de serem bons pais ou mães, muitos abrem mão dos limites, das regras claras e querendo ser bons pais acabam estabelecendo uma liberdade perigosa em suas casas.

Quero compartilhar uma pesquisa com vocês. Notem que esta pesquisa já está defesada, mas o que quero que notem não é exatamente o que vivemos hoje, mas sim a mudança de valores.

Esta pesquisa (US News e World Reports • 1999) compara os principais problemas da adolescência em 1940 e 1999:

  • Em 1940

1. Conversar na sala de aula

2. Mastigar chicletes

3. Agir de forma grosseira

4. Conversar nos corredores

5. Vestimenta inapropriada

  • Em 1999

1. Drogas ilícitas

2. Álcool

3. Gravidez precoce

4. Suicídio

5. Estupro

Hoje, os pais são encorajados a estender os limites, ignorar as regras e principalmente as verdades bíblicas.

Mas, em relação a paternidade, há uma verdade bíblica que não pode ignorada: Deus ainda mantém os pais responsáveis pela instrução e disciplina dos filhos.

PATERNIDADE DE DEUS E PATERNIDADE HUMANA

Como devemos ser como pais?

A Palavra declara que os que são nascidos de Deus (JO 1:13), que recebem a Cristo (JO 1:12), e são guiados pelo Espírito (RM 8:14) têm o direito de receber a herança de Deus como filhos.

JO 15:9-10 | “Como o Pai me amou, também eu vos amei a vós; permanecei no meu amor”.

Acho importante começarmos estabelecendo a essência da paternidade de Deus, porque creio que a paternidade humana deve ser modelada pela paternidade divina. Os esforços dos pais devem ser no sentido de permitir que seus filhos enxerguem a paternidade de Deus. Os filhos devem ver nos pais, claro que ainda como um reflexo imperfeito, o amor, a ternura, a graça, a misericórdia de Deus.

Em Colossenses lemos:

CL 3:21 | “Vós, pais, não irriteis a vossos filhos, para que não percam o ânimo”. 

Deus está estabelecendo um objetivo claro sobre a paternidade: não desanimar nossos filhos. Esta palavra significa, desencorajado, desinteressado, uma espécie de renúncia à vida. Então, de forma inversa, os pais são incentivados a encorajar seus filhos. Ou seja, mantê-los esperançosos, felizes e corajosos!

Até aqui não vemos nada cristão, parece até mesmo algo óbvio demais para ser dito. Um pai, com um mínimo de bom senso, quer motivar seu filho.  Mas claro que Paulo não está se referindo à rotina, ele está falando de verdades espirituais, então a esperança que declara precisar ser gerada em nossos filhos é a esperança em Deus!

O ânimo ao qual ele se refere então é a alegria citada pelo salmista em:

SL 4:7 | “Puseste alegria no meu coração, mais do que no tempo em que se lhes multiplicaram o trigo e o vinho”. 

O que Deus está dizendo através de Paulo então é que a primeira responsabilidade dos pais é a de instruir seus filhos no caminho do Senhor. A alegria mencionada acima é a alegria da salvação.

A primeira responsabilidade então, de instruir nossos filhos, nos conduz a segunda – amadurecê-los. Quando falamos em reestabelecer o ânimo, podemos também associar isto ao reestabelecimento da confiança, ou o amadurecimento. Paulo aprende que por muitas tribulações nos importa entrar no reino de Deus (AT 14:22) mas também declara que pode se alegrar em seus sofrimentos:

RM 5:3-4 | “E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência, E a paciência a experiência, e a experiência a esperança. E a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado”.

Hoje vemos muitos adolescentes que não conseguem assumir responsabilidades quando chegam à vida adulta porque durante toda sua infância e adolescência foram poupados delas. De repente se veem estudando e trabalhando, por exemplo,  e se estressam porque não foram ensinados a lidar com as responsabilidades. Paulo declara que as tribulações o conduziram ao amadurecimento e a esperança. Então como pais vamos deixar nossos filhos enfrentarem sofrimentos? Não, Paulo não está falando de um sofrimento gratuito, mas está nos incentivando a conduzir nossos filhos à dependência de Deus. A ensiná-los a enxergar suas adversidades e depositar sua confiança em Deus.

Mas como chegar a esta medida? De instruí-los e permitir que assumam suas responsabilidades para que amadureçam? Esta pergunta nos leva para o começo do versículo 21 do capítulo 3 de Colossenses:

CL 3:21 | “Vós, pais, não irriteis a vossos filhos…”. 

No versículo 20 Deus estabelece mais uma vez a autoridade paterna, dizendo vós filhos obedecei EM TUDO vossos pais, mas no versículo 21 adverte os pais a não fazerem mau uso desta autoridade. E o fim do mau uso dela é quando nossos filhos ficam desanimados e desencorajados  em seu espírito. Devemos evitar tudo o que coloca a confiança de nossos filhos em outras coisas que não Deus. Mas como fazer isto?

1. CUIDAR DE SUA VIDA COM DEUS

Não há uma técnica particular ou um programa de 40 dias para transformar seu filho. Você precisa começar alimentando sua própria relação com Deus. Será que seus filhos ficarão animados, encorajados e confiantes em Deus se eles virem que sua confiança está nos seus recursos? Ou se eles perceberem que para você seu trabalho é mais importante do que seu tempo com Deus? Somos incentivados a imitar nosso Pai, e ai a Palavra diz que somos gabaritados a sermos imitados. Seu filho dificilmente vai refletir o que você diz, mas é praticamente certo que ele seja um reflexo do que você é.

Biblicamente, ser um bom filho é imitar ao Pai. Ser santo como Ele é, amoroso como Ele é, misericordioso como Ele é. A questão fundamental então não é o que ensinar aos seus filhos, mas sim que você é diante de Deus!

2. DISCIPLINAR EM AMOR

Não ser o que você diz e discipliná-los de forma impulsiva são as principais maneiras de “irritar” seus filhos. Seus filhos precisam conhecer os limites e saber que não obedecê-los além de consequências trará uma disciplina.

A disciplina cristã é fruto do amor, é previsível e não é uma punição, mas é a correção para trazê-lo de volta ao bom caminho.

A disciplina equilibrada e consistente permite que seus filhos amadureçam em liberdade. Eles passam a enxergar Deus não como um ser caprichoso e impulsivo, mas como alguém que estabelece a paz e a ordem

PAPÉIS DEFINIDOS

Como mencionamos incialmente é vital que pais, líderes espirituais e filhos estejam ajustados aos seus papéis, para facilitar o amadurecimento e encaminhá-los ao cumprimento da vontade de Deus para suas vidas. Há uma passagem em que estes papéis ficam bem definidos:

1SM 16:1-3 | “Disse mais Samuel a Jessé: Acabaram-se os moços? E disse: Ainda falta o menor, que está apascentando as ovelhas. Disse, pois, Samuel a Jessé: Manda chamá-lo, porquanto não nos assentaremos até que ele venha aqui. Então mandou chamá-lo e fê-lo entrar (e era ruivo e formoso de semblante e de boa presença); e disse o SENHOR: Levanta-te, e unge-o, porque é este mesmo. Então Samuel tomou o chifre do azeite, e ungiu-o no meio de seus irmãos; e desde aquele dia em diante o Espírito do SENHOR se apoderou de Davi; então Samuel se levantou, e voltou a Ramá”. 

Conhecemos bem esta passagem, a unção de Davi. Aqui vemos o pai, o filhos e o profeta. O profeta é enviado à casa de Jessé para ungir o rei. Isto mostra que Jessé estava cumprindo exatamente seu papel como aquele que instrui no caminho do Senhor, que conduz seus filhos à dependência dEle e trabalha para seu amadurecimento, isto se comprova no versículo 7:

1SM 16:7 | “porque o SENHOR não vê como vê o homem, pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o SENHOR olha para o coração”.

Isto quer dizer que o Senhor aprovava a forma como Jessé conduzia seus filhos. Porém Samuel ainda não sabia exatamente qual dos filhos seria ungido. Aos olhos de Jessé, só poderia ser seu primogênito, Eliabe, ele afirma ao profeta CERTAMENTE ESTÁ PERANTE O SEU UNGIDO. Apesar de cumprir seu papel como pai, o papel de separá-los para vontade de Deus e instruí-los no cumprimento dela não é dos pais, e sim dos líderes espirituais. Isto não significa que Eliabe era mais ou menos temente a Deus do que Davi, significa apenas que aquela unção não era dele e sim de Davi. O papel dos líderes é, espiritual e ministerialmente, enxergar além dos pais. É estar acima dos julgamentos rotineiros que pode ser feitos, é estar conectado à visão do Senhor e ser assertivo em seu cumprimento. Paulo declara em:

HB 13:7 | “Obedecei a vossos pastores, e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossas almas, como aqueles que hão de dar conta delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil”. 

O pai humano zela pela instrução, pela disciplina, pelo amadurecimento e pela provisão. O líder zela pela alma e pelo direcionamento espiritual e ministerial, sabendo que um dia prestará contas disto. Quando pais e líderes trabalham no mesmo objetivo, os filhos são encorajados a cumprirem exatamente a vontade do Senhor para suas vidas.

Note que Davi não se sentiu indigno daquela unção, mas havia sido amadurecido por seu pai para aquele momento e quando esta instrução se soma ao discernimento do profeta do chamado e do tempo de Deus sobre a vida de Davi, a palavra diz que ele é apoderado pelo espírito de Deus. Não foi fruto apenas de Jessé, não foi fruto apenas de Samuel e muito menos mérito apenas de Davi, foi o cumprimento e o posicionamento de cada um em seu papel que trouxe o liberar de Deus sobre ele.

Que nos possamos nos posicionar para liberar a unção de Deus sobre nossos filhos!

PATERNIDADE CRISTÃ • ADOLESCENTES

TEMPO DE DESPERTAR (LEGENDADO)

Vídeo apresentado na abertura da Conferência do “Movimento 4/14”. O mundo está mudando, será que você está preparado para cumprir o “ide” neste tempo? Números que impressionam, é tempo da igreja deixar as velhas (e religiosas) práticas para debaixo da unção do Senhor chacoalhar esta geração!

TEMPO DE DESPERTAR (LEGENDADO)